O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, prometeu no sábado (28) um pacote sem precedentes de medidas para amortecer a terceira maior economia do mundo da pandemia de coronavírus, dizendo que o país estava próximo de uma emergência nacional devido a infecções. Abe disse que as medidas “enormes e poderosas” incluirão estímulo fiscal, medidas monetárias e incentivos fiscais para as empresas, embora os detalhes não tenham sido finalizados.

“Estamos em uma fase crítica. Precisamos estar prontos para uma batalha de longo prazo “, disse Abe em uma entrevista coletiva na televisão nacional, acrescentando:” Eu quero ser direto sobre isso”. As infecções no Japão subiram para mais de 1.500, com 52 mortes, excluindo as de um navio de cruzeiro colocado em quarentena no mês passado.

Atingido cedo pelo coronavírus em sua propagação inicial da China, o Japão havia visto um aumento mais gradual do que o recente surto em grande parte da Europa e nos Estados Unidos, que levou ao bloqueio de bilhões de pessoas em todo o mundo. Abe evitou declarar um estado de emergência, embora tenha anunciado planos para aprovar o medicamento Avigan, que se mostrou útil no tratamento.

abe 1 - Japão promete medidas 'enormes e poderosas' para aliviar impacto na economia
“A pandemia está causando danos extremamente grandes à economia do Japão” (Shinzo Abe)

“Vamos implantar um pacote enorme e poderoso que incluirá uma gama completa de medidas fiscais, monetárias e fiscais”, complentou Abe. O tamanho do pacote excederá o compilado em resposta à crise financeira global de 2008, que totalizou 57 trilhões de ienes (US$ 528 bilhões), garantiu o governo.

“Parte das medidas incluirá acordos para que “pequenas e médias empresas possam emprestar juros zero de instituições financeiras privadas”, disse Abe. “Também criaremos um novo esquema para oferecer pagamentos em dinheiro”, acrescentou, dizendo que isso seria direcionado às famílias e empresas que mais precisam.

O governo garantiu que dentro de dez dias deverá elaborar um orçamento suplementar para a apreciação do parlamento.

ÀS CLARAS

Na entrevista coletiva, Shinzo Abe rejeitou afirmações de que o Japão estava escondendo o verdadeiro número de casos. O governo enviou militares para os maiores aeroportos de Narita e Haneda, em Tóquio, para auxiliar na triagem de vírus e no transporte de pessoas colocadas em quarentena, disse a emissora NHK.

Globalmente, as infecções chegaram a meio milhão, com mais de 20.000 mortes, com o contágio afetando mais de 100 países. Espera-se que Abe ordene medidas econômicas, incluindo US $ 135 bilhões ou mais em gastos, dizem funcionários do governo e legisladores, juntando-se a formuladores de políticas globalmente tentando impedir uma recessão.

Fonte | Reuters e NHK