A seguir, são apresentadas perguntas e respostas sobre os controles de fronteira que o Japão implementou para conter a disseminação do novo coronavírus.

P: Quais são as medidas que estão sendo tomadas?

R: O governo do primeiro-ministro Shinzo Abe impôs uma proibição de entrada a viajantes estrangeiros que viajaram recentemente para países de alto risco e suspenderam vistos emitidos para a maioria do mundo, impedindo quase todas as viagens ao Japão.

P: Quais países são cobertos pela proibição de entrada?

R: Um total de 87 países em seis continentes. Eles incluem China, Coréia do Sul, Filipinas, Indonésia, Tailândia, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos, Canadá, Brasil, Peru, Irã, Arábia Saudita, Turquia e toda a Europa.

P: A quem está sendo recusada a entrada e quem ainda pode entrar?

R: Em princípio, a proibição de entrada se aplica a todos os estrangeiros. Mesmo que você seja um residente permanente do Japão, se já esteve em algum dos países da lista negra dentro de duas semanas após sua chegada ao Japão, será recusado.

Existem algumas exceções. O governo reconhece “circunstâncias excepcionais” que justificam a entrada de estrangeiros no Japão, apesar da proibição de entrada. Os exemplos mais comuns são diplomatas e tripulantes que estão apenas no país entre os vôos.

Sob condições específicas, isso também se aplica a residentes permanentes, cônjuges ou filhos de um nacional japonês, cônjuges ou filhos de um residente permanente e residentes de longa duração. Aqueles que partiram do Japão em 2 de abril poderão entrar novamente, apesar de viajarem para qualquer um dos 73 países adicionados à lista negra até 3 de abril.

Da mesma forma, aqueles que partiram em 28 de abril serão autorizados a voltar, apesar de irem a qualquer um dos 14 países adicionados à lista negra em 29 de abril.

Cidadãos japoneses e residentes permanentes especiais – um status mantido por cerca de 32.000 coreanos étnicos cujas famílias abandonaram a cidadania japonesa, mas permaneceram no país após a Segunda Guerra Mundial – estão isentos da proibição de entrada.

Todas as chegadas, independentemente da nacionalidade, devem ser testadas quanto ao coronavírus e se auto-isolar por duas semanas.

P: Por que tratar japoneses e estrangeiros de maneira diferente?

R: A proibição de entrada atraiu críticas principalmente da comunidade de expatriados do Japão, pois os impede de viajar para casa até para tratar de assuntos urgentes. Um funcionário da Agência de Serviços de Imigração disse que “em primeiro lugar, o objetivo é impedir a disseminação do coronavírus” e que permitir muitas exceções à regra a tornaria inútil. O funcionário enfatizou que era uma medida temporária e pediu paciência.

P: Por quanto tempo a proibição de entrada permanecerá em vigor?

R: O governo diz que estará em vigor “por enquanto”, o que significa essencialmente quanto tempo leva para a situação melhorar. Isso pode levar semanas ou meses, e a medida parece improvável de ser levantada enquanto o estado nacional de emergência estiver em vigor.

P: E quanto à suspensão de vistos?

R: Juntamente com a proibição de entrada, o governo suspendeu os vistos emitidos para estrangeiros em mais de 170 países. Isso não se baseia na nacionalidade da pessoa ou para onde ela viajou, apenas onde está localizada a embaixada ou consulado que emitiu o visto.

Os programas de isenção de visto entre o Japão e outros países para visitas de até 90 dias de duração também foram suspensos. Ambas as medidas estavam em vigor inicialmente até o final de abril, mas foram estendidas até o final de maio.

Fonte | Kyodo