A população infantil estimada no Japão caiu pelo 39º ano consecutivo, um recorde segundo dados do governo divulgados nesta segunda-feira (4). Apesar dos esforços para enfrentar a questão de longa data de uma taxa de natalidade em declínio, o governo ainda não conseguiu emplacar políticas públicas estipuladas.

O número de crianças com 14 anos ou menos era de 15,12 milhões a partir de 1º de abril, uma queda de 200.000 em relação ao ano anterior e o número mais baixo desde que dados comparáveis ​​foram disponibilizados em 1950, segundo o Ministério de Assuntos Internos e Comunicações.

A proporção de crianças em relação à população geral caiu pelo 46º ano consecutivo, atingindo uma baixa recorde de 12,0%, abaixo dos 12,4% da Coréia do Sul e a menor entre os 32 países com uma população de 40 milhões ou mais, segundo o Anuário Demográfico da Organização das Nações Unidas (ONU).

Por outro lado, aqueles com 65 anos ou mais representam 28,6% da população do Japão, refletindo sua sociedade cada vez mais envelhecida.

AUMENTO SOMENTE EM 1952

A população infantil no Japão atingiu 29,89 milhões em 1954. O número aumentou rapidamente no início da década de 1970, mas continua caindo desde 1982.

O primeiro-ministro Shinzo Abe prometeu reverter essa estatística de declínio da natalidade e do envelhecimento do país, implementando medidas para promover o empoderamento das mulheres na sociedade e aumentando o número de creches. Mas seus esforços ainda não deram frutos.

O governo estabeleceu uma meta de elevar a taxa total de fertilidade – o número médio de filhos de uma mulher – para 1,8 até o final do ano fiscal de 2025, de 1,42 em 2018.

As crianças entre 12 e 14 anos representavam o maior grupo de crianças, com 3,21 milhões, enquanto os recém-nascidos e crianças de 2 anos totalizavam 2,75 milhões. Por sexo, havia 7,74 milhões de meninos e 7,38 milhões de meninas, informou o ministério.

TÓQUIO REGISTROU AUMENTO

Entre as 47 prefeituras do país, Tóquio foi a única que viu um aumento no número de crianças, com 1,55 milhão, mais de 20 vezes o número mais baixo de 70.000 na prefeitura de Tottori, no oeste do Japão, segundo dados da prefeitura.

Okinawa, a província do sul da ilha, teve a maior proporção de crianças em sua população geral em 16,9%, enquanto a Akita no nordeste do Japão registrou a menor em 9,8%, a primeira vez que uma prefeitura caiu abaixo de 10% desde que dados comparáveis ​​foram disponibilizados em 1970 .

Fonte | Kyodo