Entidades e organizações que atuam em defesa do meio ambiente emitiram nota repudiando a declaração do ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles que, em reunião ministerial, declarou que governo deveria aproveitar a “oportunidade” trazida pela pandemia do novo coronavírus para “ir passando a boiada” em medidas regulatórias.

De acordo com Salles, seu ministério é “o mais difícil’ de passar “qualquer mudança infralegal” porque ‘tudo que a gente faz é pau no Judiciário, no dia seguinte”
“Então pra isso precisa ter um esforço nosso aqui enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só se fala de covid e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”, afirmou.

“De Iphan, de Ministério da Agricultura, de Ministério de Meio Ambiente, de Ministério disso, de Ministério daquilo. Agora é hora de unir esforços pra dar de baciada a simplificação regulam? É de regulatório que nós precisamos, em todos os aspectos”.

Em nota, o Observatório do Clima afirmou que Salles declarou “sua intenção de destruir o meio ao ambiente aproveitando-se de uma catástrofe que parou o Brasil e mata dezenas de milhares de brasileiros”.

“Um ministro não apenas disposto a desmontar os regramentos da própria pasta, mas conclamando todo o governo a fazer o mesmo e pedindo proteção da AGU”, afirma a entidade.

OUTRO LADO

Em nota, Salles afirmou que sempre defendeu ‘desburocratizar e simplificar normas, em todas as áreas, com bom senso e tudo dentro da lei’. “O emaranhado de regras irracionais atrapalha investimentos, a geração de empregos e, portanto, o desenvolvimento sustentável no Brasil”.

Leia a íntegra da nota da WWF-Brasil

O WWF-Brasil vem a público expressar sua indignação com a estratégia de destruição do arcabouço legal de proteção ao meio ambiente no Brasil evidenciada pela fala do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, durante reunião ministerial realizada no dia 22 de abril e divulgada na tarde desta sexta-feira, 22 de maio.

Não é surpresa que o Ministro Ricardo Salles venha trabalhando, desde o início de seu mandato, para fragilizar as regras e as instituições criadas para defender nosso patrimônio ambiental.

Não por acaso 2019 foi o ano com maior desmatamento na Amazônia em uma década, e os números deste ano mostram que vamos superar essa marca.

É notória a paralisia administrativa em seu ministério e nos órgãos a ele associados. Apesar disso, choca constatar sua intenção de aproveitar a maior tragédia econômica e sanitária em muitas gerações, uma pandemia que já resultou em dezenas de milhares de vidas perdidas, para, em suas palavras, ‘passar a boiada’.

O Brasil precisa de um ministro à altura da importância que o Meio Ambiente tem para o país. É imprescindível que as devidas providências legais sejam aplicadas”.

Fonte | Estadão
Foto | Fábio Pozzebom/ Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui