Os ativos financeiros das famílias japonesas atingiram um novo recorde próximo a 2 quatrilhões de ienes no ano passado, metade dos quais em dinheiro e depósitos bancários, em um sinal de que a pandemia de coronavírus os encorajou a economizar em vez de gastar.

Os dados ressaltam o desafio que os formuladores de políticas enfrentam para estimular o consumo e evitar um retorno à deflação, já que a persistência da crise do coronavírus impede que as empresas aumentem os salários e os preços.

O saldo dos ativos financeiros mantidos pelas famílias aumentou 2,9% em relação ao ano anterior para um recorde de 1.948 trilhões de ienes (US $ 17,85 trilhões) no final de dezembro, dados do Banco do Japão (BOJ) mostraram nesta quarta-feira (17).

Do total, 1.056 trilhões de ienes foram em dinheiro e depósitos, já que as medidas para evitar a disseminação do vírus mantinham os consumidores em casa e longe de lojas e atividades ao ar livre, mostraram os dados.

Os ativos financeiros mantidos pelo setor corporativo aumentaram 6,2%, para um recorde de 1.275 trilhões de ienes, dos quais quase um quarto foi em dinheiro e depósitos, de acordo com os dados trimestrais de fluxo de fundos.

Os títulos do governo do BOJ também atingiram um recorde de 545 trilhões de ienes em dezembro, representando 44,7% do mercado total, mostraram os dados.

Fonte | Reuters
Foto | V. Kam

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui