Crianças menores de 18 anos ficarão isentas da exigência da vacina contra o coronavírus a ser imposta aos viajantes estrangeiros que entrarem nos Estados Unidos a partir de 8 de novembro, disse o governo dos Estados Unidos nesta segunda-feira (25).

Para aquelas sujeitas ao mandato, as vacinas aceitas incluirão aquelas aprovadas pelos reguladores de medicamentos dos Estados Unidos e aquelas listadas pela Organização Mundial de Saúde para uso emergencial, disse o governo. Entre essas vacinas estão as desenvolvidas pelas empresas americanas Pfizer Inc. e Moderna Inc., bem como a Sinopharm, produzida por um gigante farmacêutico chinês.

Os anúncios foram feitos enquanto os Estados Unidos se preparavam para implementar novas políticas sobre viagens aéreas internacionais em meio à pandemia do coronavírus, encerrando as restrições de entrada no país contra viajantes estrangeiros, anteriormente introduzidas como uma medida contra a disseminação do vírus.

photo l - Crianças menores de 18 anos serão isentas da vacina contra o coronavírus para entrar nos EUA
Um passageiro da United Airlines empurra um carrinho de bagagem passando por quiosques de check-in fechados no Aeroporto Internacional de São Francisco em 8 de julho de 2020. (Getty / Kyodo)

O país proibiu essencialmente a entrada de qualquer cidadão não americano que nos últimos 14 dias tenha estado no Brasil, Grã-Bretanha, China, Índia, Irã, Irlanda, África do Sul ou qualquer de um grupo de países europeus com acordos de fronteira aberta, tais como França, Alemanha e Itália.

A partir de 8 de novembro, os viajantes não cidadãos e não imigrantes deverão ser totalmente vacinados, além da exigência existente de teste negativo para o novo coronavírus dentro de três dias antes da partida, com exceções limitadas.

Crianças menores de 18 anos serão isentas devido à inelegibilidade de algumas crianças mais novas para a vacinação, bem como à variabilidade global no acesso à vacinação para crianças mais velhas, disse o governo.

No entanto, as crianças com idades entre 2 e 17 anos serão obrigadas a fazer um teste de vírus antes da partida.

Pessoas com contra-indicações médicas às vacinas e que viajem com visto de não turista de países com baixa disponibilidade de vacina também estarão isentas da exigência. A baixa disponibilidade de vacina é definida como uma taxa total de vacinação de menos de 10 por cento da população de um país.

Atualmente, todos os viajantes devem apresentar um resultado negativo no teste de vírus dentro de três dias antes da partida para os Estados Unidos.

De acordo com o novo sistema, os viajantes não vacinados – sejam cidadãos americanos ou estrangeiros isentos – terão que fazer o teste negativo um dia após a partida, disse o governo.

Para os americanos que comprovarem que estão totalmente vacinados, será aplicada a janela de três dias para um teste de vírus antes da partida.

Os indivíduos podem ser considerados totalmente vacinados duas semanas após receber uma vacina de dose única ou a segunda dose em uma série de 2 doses. Combinações de duas vacinas diferentes como uma série de 2 doses serão aceitáveis, desde que cada uma esteja entre as aprovadas.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças também exigirão que as companhias aéreas coletem informações de contato de viajantes internacionais para que as autoridades de saúde pública possam acompanhar os visitantes potencialmente infectados.

Fonte Kyodo News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui